13 porques

Oi, springers. Tudo bem?

Vamos começar a semana com uma paulada já. É que este fim de semana eu parei pra assistir alguns episódios de Os 13 porquês, a nova série do Netflix, que foi produzida por Selena Gomez. Pra quem não sabe, a série foi inspirada no livro de mesmo nome de Jay Asher, e conta a história de Hannah Baker, uma garota que acaba cometendo suicido por diversos motivos e, antes de morrer, narra todos eles em uma série de 13 fitas, que são entregues para Clay, o garoto que tinha uma paixão platônica por ela.

Apesar de ter visto muita gente torcer o nariz por ser uma série adolescente (qual é o problema, né?), ela traz como tema central o suicídio, um assunto pouquíssimo abordado, pois as pessoas têm medo de falar sobre ele. E eu concordo, é uma responsabilidade gigantesca abordar um assunto tão sério, que pode mudar o rumo da vida da pessoa que está assistindo a sua matéria ou lendo seu texto. Porém, acredito que é uma falta de responsabilidade também não falar sobre o assunto por mais pesado que ele seja, já que a informação pode, sim, salvar muitas vidas.

Na série, a Hannah é aquele tipo de menina popular, bem resolvida, dedicada e feliz, mas por conta de um acontecimento com um boy que ela se apaixona – ele acaba inventando as pessoas que transou com ele só para se aparecer e envia fotos de um contexto totalmente errado para os colegas –, e mais uma série de fatores, que trazem o julgamento errado das pessoas e crueldade, ela vai se transformando em algo que não era, uma pessoa triste e sem perspectiva de futuro.

Acho que Os 13 porquês faz a gente olhar para o próprio umbigo ao invés de julgar a situação, sabe? O que você faz para as pessoas pode, sim, transformar a vida delas! Da mesma forma que o que elas fazem pode transformar a sua, tanto para o bem quanto para o mal, portanto, cuidado com como você age no dia a dia. Muitas vezes, o sorriso que você dá ou o apoio, o não julgamento, enfim, o que você faz de simples, mas bom pra certa pessoa, pode ser o que ela precisa para, de alguma forma, ser salva. E é isso que a série traz à tona! É um grande pedido de socorro para uma geração que, apesar de ter tudo nas mãos, como informação, tecnologia, etc., não consegue se colocar no lugar do outro e ter empatia.

Isso vale pra tudo, para as pessoas que conhece na internet, na vida real, enfim, respeito e empatia são necessários e todo mundo quer e merece.

Se você ainda não assistiu a série, dê uma chance, os episódios são de cerca de uma hora, mas cada um vem em forma de paulada, é impossível terminar de ver e não ficar refletindo sobre o que aconteceu com a Hannah e, muito menos, não pensar que isso pode acontecer ou estar acontecendo com qualquer pessoa ao seu redor.

Bom, vou ficando por aqui, pois já falei demais, mas ainda pretendo gravar um vídeo assim que terminar de ver a temporada. Se você já assistiu, me conta se gostou e se também teve esse estalo, vou adorar debater o assunto com vocês, porque acho mais do que necessário falarmos sobre os temas abordados na série.