DSC_1013

Demorei, mas voltei.

Peço desculpas pela demora de um terceiro post, isso não irá se repetir, ok?

Bom, o post de hoje é mais geral sobre o primeiro país pelo qual passamos: o Chile! Já vale adiantar que o país é lindo e apaixonante, e nós, com certeza, voltaremos!

Pra começar, o Chile é rico geograficamente, é possível se deparar com todas as estações do ano ao longo do país, pois ele é costeiro e comprido. Fora que ele possui as lindas Cordilheiras dos Andes praticamente de ponta a ponta, e o deserto mais árido do mundo, o Deserto do Atacama.

 

DSC_1013

 

O dinheiro do Chile é o Peso Chileno (vou chamar de PC a partir de agora, ok?), que é contado em mil, ou seja, as coisas custam 1.000 pesos, 2.000 pesos, e assim por diante. Explicando: R$ 1 é o equivalente a 230 PC mais ou menos. Esse valor varia de acordo com a temporada! Em baixa temporada o real chega a valer 250 PC, isso faz com que seja uma média de 4 pra 1 ou, em baixa temporada, 5 pra 1. Por quê? Porque praticamente nada custa menos que 1.000 pesos chilenos, e isso faz com que o Chile seja um país relativamente caro para um mochilão.

Explicando melhor, o custo de vida do Chile é bem similar ao de São Paulo se convertermos o real em PC. Para almoçar, gastávamos em média quase 10.000 PC, isso equivale a R$50,00, ou seja, R$25,00 cada um. Coisa que no Peru e na Bolívia era completamente diferente!

 

DSC_0059

 

Lógico que não é caro como nos Estados Unidos ou Europa no quesito conversão, mas também não é barato (pelo menos não como imaginávamos), e você tem de se planejar muito bem! Sem contar que tem de ficar com uma calculadora o tempo todo só fazendo as conversões para saber o que comprar e o quanto aquilo realmente custa.

Tirando o valor, o Chile é perfeito! Ficamos cinco dias em Santiago e, como fomos no inverno, a cidade parecia a Europa ou o Canadá no outono, pois as folhas das árvores estavam secas e o pessoal andava bem chique na rua com suas roupas de inverno #risos!

 

DSC_0347

 

Deixo vocês com algumas fotinhos enquanto esperam o próximo post sobre Santiago.

Até lá!

Dai Bugatti.